NOVA ODESSA, 23 DE JANEIRO DE 2018
  • DIREÇÃO ESPIRITUAL
Publicação.: 08/05/2011

Andar pelos campos

Andar pelos campos
“Andar pelos campos”, eis o que significa a palavra ‘peregrino’ (do latim per agros, isto é, pelos campos). Literalmente andamos pelos campos, descendo os vales e subindo colinas e morros.
Esta foi a experiência vivida pelos membros da Comunidade de Aliança Filhos do Céu, por amigos e simpatizantes da Comunidade e por trilheiros iniciantes.
Mas todos nós somos iniciantes eternos nos caminhos do Senhor. A cada dia acolhemos seu convite pra percorrermos os caminhos que nos conduzem ao Céu. O seguimento de Jesus implica caminhar buscando sua vontade e abraçando sua missão.
No Evangelho de Lucas nos deparamos com Jesus peregrino. Constantemente Jesus está em movimento, percorrendo a galiléia, indo ao encontro dos pobres e pequenos, subindo a Jerusalém para abraçar definitivamente a razão de sua vinda entre nós: seus braços abertos são os braços do Amor Resgatador!
A proposta deste retiro peregrino era a de percorrermos uma parte da trilha do Caminho da Fé (35 km) para refletirmos e rezarmos sobre o amor de Deus e sobre os passos que em nossa vida devemos dar pra servirmos melhor o Senhor. O que nos animou foi uma certeza: “fui escolhido, fui amado, resgatado e consagrado pelo seu amor”. E a fé no Senhor nos ajudou a andar, a vencer os obstáculos (subidas e descidas íngremes, calor, bolhas, dores físicas e musculares...). Mas nada superou o gosto pela vitória e a chegada aos nossos objetivos.
Para peregrinar temos que levar em consideração que não se trata apenas de dar passos, de caminhar, ou de percorrer um trajeto com um determinado número de quilômetros; para peregrinar é necessário caminhar motivado ‘por’ ou ‘para algo’, por um objetivo consistente e sadio. A peregrinação adquire assim um valor e um sentido divino que somente quem peregrina pode experimentar e saborear interiormente.
Percorremos um caminho com o Senhor, por isso as dificuldades são vencidas e superadas. Já dizia o salmista: “Feliz o homem cujo socorro está em vós, e só pensa em vossa santa peregrinação. Quando atravessam o vale árido, eles o transformam em fontes, e a chuva do outono vem cobri-los de bênçãos.” (Sl 84,6-7). E quantas bênçãos recebemos e acolhemos sobre todos nós.
Esta nossa experiência de fé foi um exercício de humildade, de solidariedade, de salutar dependência, de companheirismo, de sobriedade (basta-nos pouco pra caminhar), de ajuda mútua. Carregar a mochila do irmão é um prazer. Como já ouvimos: ‘irmão não pesa’ e torna mais leve os nossos passos!
Que o Bom Deus continue olhando com Misericórdia sobre todos nós (já que fizemos esta experiência do Caminho da Fé no Domingo da Misericórdia) e nos dando a graça da Santidade (do VSS), pois, por providência divina concluímos nossa caminhada na manhã do mesmo dia em que o Papa João Paulo II foi proclamado beato, bem aventurado pela Igreja. Misericórdia e santidade: é o que buscamos e vivemos!
Que o Senhor Deus faça com que dê frutos de resgate os passos dados com determinação e fé.
Paz e bênçãos a todos.

p.alcindofdcc