NOVA ODESSA, 14 DE DEZEMBRO DE 2017
  • DIREÇÃO ESPIRITUAL
Publicação.: 07/06/2011

Pentecostes

Pentecostes
“Recebei o Espírito Santo.” Jo 20, 19 - 23

Objetivo: Invocar a presença do Espírito Santo para renovar a face da terra e para transformar a vida humana, especialmente naqueles que perderam o “ar” divino, o respiro de Deus em si.

PARA VOCÊ SABER

Não existe nenhum segredo que precisamos de ar para viver e sobreviver. O “ar”, na Bíblia, indica a presença da vida divina. Assim lemos nas primeiras páginas da Sagrada Escritura, no livro do Genesis, quando Deus, depois de criar o homem e a mulher, sopra neles o seu respiro, o seu “ar”; quer dizer, a sua própria vida; vida que se manifesta como Espírito (Gn 2,7). Por isso, mais importante que discutir se o homem nasceu de um boneco de barro ou se a mulher foi feita da costela do homem, é importante destacar que a vida humana é o respiro divino que respira dentro de cada um de nós. João, no Evangelho, não fala de línguas de fogo, mas de “ar”, de sopro. “Jesus soprou sobre eles e disse: recebei o Espírito Santo!” “Soprou sobre eles”. O Espírito Santo que Jesus coloca em seus discípulos é o seu sopro divino; é o “ar”, é Deus respirando em nós.
Se o “ar” desaparecer de nossa vida, morreremos. Se o ar está contaminado, como também sabemos, nossas condições existenciais tornam-se críticas e começamos a correr risco de morte. A Campanha da Fraternidade, neste 2011, saiu em defesa do ambiente, ressaltando a importância da qualidade do ar para se viver e sobreviver de modo saudável. Tudo isso ajuda-nos compreender a importância do símbolo “ar” e do simbolismo da “respiração” para indicar a presença de Deus em nós. Assim como a presença do “ar” em nossas vidas é silenciosa, da mesma forma, a presença divina em nós é silenciosa. Por isso, o silêncio é o espaço onde o meu eu se encontra com o Espírito de Deus. O símbolo do “ar” ajuda-nos também a avaliar o que respiramos, que vida respiramos dentro de nós. Quem tiver em si o “ar” divino, a presença de Deus, não vive sufocado, ao contrário, vive livre porque a vida flui em quem respira Deus.
Conhecemos, pela experiência, que a falta de “ar” produz sofrimento e gera agonia na pessoa. Pessoas que vivem sufocadas, sem ar, perdem o controle de si mesmas; perdem a consciência, perdem o sentido e a orientação da vida. Aqui, chegamos ao momento prático de nossa reflexão, que nos leva a questionar a qualidade do ar que respiramos em nossas comunidades, o ar que respiramos em nossas famílias e o ar que respiramos dentro de nós. O sufocamento, seja existencial, emocional, até mesmo financeiro ou profissional, presente em nossas casas ou dentro de nós, é uma indicação de que o ar que nos mantém vivos não é de boa qualidade. Na maior parte das vezes é indicativo da falta do “ar” divino, é ausência do Espírito Santo de Deus respirando em nós, em nossas famílias ou em nossa comunidade. Viver sufocado não é bom, mas se deixar sufocar é indício de insensatez ou, do ponto de vista positivo, é motivo para invocar a presença do sopro divino para a vida pessoal. Invocar a presença divina para respirar dentro de nós, para trazer uma nova brisa em nossas famílias ou um vento renovador em nossas comunidades.
Sabemos que nossas palavras são produzidas pelo ar emitido de nossos pulmões. Por isso, a junção de “palavra” e “ar” também representam a presença divina, porque quando Deus fala, ele emite seu “ar”, seu “Espírito Santo”. O primeiro elemento prático, para nossas vidas, é entender que acolher a Palavra de Deus é acolher em nós o seu “ar”, o seu Espírito Santo. Também a palavra humana é feita de ar, de sopro, do hálito que sopramos sobre o outro quando falamos. Jesus, num de seus ensinamentos diz que “nossa boca fala daquilo que temos em nosso coração” (Lc 6,45). O ar, o espírito que temos dentro de nós sai pela boca em forma de palavra. As palavras que dizemos não devem servir para desunir, mas para unir, especialmente quanto se trata de dom divino. No Evangelho Jesus sopra o “ar” divino, o Espírito Santo para perdoar e reconciliar... tudo isso, são elementos que ajudam a dimensionar a nossa vida pelas palavras que falamos, como falamos e porque falamos. Muita gente vive sufocada e desabafa com palavras, no ouvido dos outros, a falta de paz que tem dentro de si, a falta do “ar” divino, do Espírito Santo. Hoje, invocamos o “ar” divino para respirar em nossas vidas: que o Espírito Santo de Deus venha e traga um novo respiro e, mais que isso, que respire dentro de cada um de nós.

(Fonte: www.liturgia.pro.br)

“Vinde, Espírito Santo, e renovai a face da terra e nossos corações.”

PARA VOCÊ REZAR

Aquele que respira o “ar” divino em sua vida, aquele que sobrevive com o “ar” divino em sua existência, aquele que se deixa invadir pelo respiro de Deus, com certeza, terá as mãos repletas dos frutos do Espírito Santo.

Oração

Bendiga, meu coração, cante louvores a ti, Espírito Santo de Deus,
hóspede divino em minh’alma, sopro divino que respira dentro de mim.
Exulte de alegria, meu coração, glorificai o Espírito Santo de Deus,
aragem suave, fonte de paz que sopra dentro de mim.
Alegrai-vos, meu coração, salmodiai salmos festivos ao Espírito Santo de Deus,
alegria divina que toma conta de mim, alívio nos sofrimentos,
consolo que na tristeza fortalece, festa que festeja a vida,
serenidade que ilumina meus olhos, quietude que aquieta todo o meu ser.
A ti, Espírito Santo de Deus, louvores e glórias para sempre. Amém!