NOVA ODESSA, 14 DE DEZEMBRO DE 2017
  • DIREÇÃO ESPIRITUAL
Publicação.: 04/09/2012

VIDA EM COMUNIDADE E AMOR ENTRE OS IRMÃOS

VIDA EM COMUNIDADE E AMOR ENTRE OS IRMÃOS
O que é comunidade? É um lugar onde as pessoas vivem na qualidade do que é comum, com participação em co-mum, sociedade, pode ser em colônias, pessoas religiosas que vivem em grupo, pessoas que vivem segundo um mesmo objetivo. Comum + Unidade, lugar que pertencemos em que se encontram a nossa terra a nossa identidade, tudo que vamos fazer é em comum e na unidade com os irmãos. A começar de Deus (Ele não quis ficar sozinho), quando comungamos a eucaristia, na comunhão eu me torno unido a Cristo, quero ser um com Ele.
1ª comunidade: A Família, temos que viver essa comunhão, pois hoje vivemos em um mundo individualis-ta onde cada um por si e Deus pra todos (um dos pontos e campo que o FDC quer resgatar).
Como é viver em comunidade? Existem várias formas de se viver em comunidade:
Existem as comunidades paroquiais e comunidades eclesiais; Todas comunidades tem uma finalidade; Comunida-de é fruto do Espírito Santo.
Já vimos acima o conceito de comunidade, mas vamos ver o que vem a ser as comunidades Paroquiais e Eclesiais, em At 2,42, relata a vida dos apóstolos em comunidade, que já havia a doutrina no qual eles perseveravam e que tudo era comum, dividiam seus bens com alegria.
Com o passar dos séculos isso foi se difundindo e aumentando, hoje a igreja esta dividida em Dioceses onde tem o seu Bispo, qual é o nome do nosso? que tem a autoridade sobre a Igreja particular, mas que por sua vez, está subordinada ao Vaticano, ao nosso Papa, quem é nosso Papa mesmo? Nas dioceses estão as Paróquias, que tem o Padre que é o Pároco, que por sua vez pastoreia as comunidades, com seus trabalhos pastorais que é a vida da Igreja, a participação do leigo é bem ativa e o número de fieis bem significativo. A vida de Jesus sempre foi comunitária, os apóstolos aprenderam com Jesus.O Catecismo da Igreja Católica no parágrafo 900, 901, fala da participação do leigo.
Todo leigo está inserido em uma Paróquia que é uma determinada comunidade de fiéis, constituída de maneira estável na Igreja particular. É o lugar onde todos os fieis podem ser congregados pela celebração dominical da Eucaristia (Missa). A paróquia inicia o povo Cristão na expressão ordinária da vida litúrgica, reúne-o nesta celebração , ensina a doutrina salvífica de Cristo, pratica a caridade nas obras boas e fraternas. Cat 2179).
A finalidade das comunidades é: Ter uma experiência de salvação; propiciar maior unidade entre as pessoas, amor entre os irmãos em uma vida fraterna, organizar melhor a caminhada para que os leigos vivam os sacramentos, propiciar formação evangélica ajudando as pessoas a serem verdadeiros Cristãos.
Hoje temos também uma nova realidade de comunidade que é as ” Novas comunidades” onde a vida em comum é vivida como a dos primeiros Cristãos. Elas são frutos do Batismo no Espírito Santo. Nessas comunidades há leigos Consagrados, Padres, celibatário, tem-se os membros de vida e aliança, prestam relevante serviço as Paróquias e também a sociedade conforme o seu carisma. Podemos citar como exemplo a Comunidade Canção Nova, Shalon, Com. Davi, Sagrada Família e nós Com. De Aliança Filhos do Céu, e muitas outras espalhadas pelo mundo inteiro.
O importante é entendermos que não podemos viver sem a comunidade, sem os irmãos, sem a Igreja, porque isso é vontade e plano de Deus, que nos amemos uns aos outros como Jesus nos ama, que estejamos sempre prontos a servir a Deus e aos irmãos em uma vida comunitária, seja ela uma comunidade eclesial, ou uma comunidade de vida, para que sejamos um como Jesus e o Pai são um. Esse é o desejo de Deus para cada filho seu.
Peçamos ao Espírito Santo a graça de estarmos sempre a serviço de Deus e dos irmãos em uma vida em comunida-de, que Ele nos dê o amor que precisamos, uns para com os outros e para que cresçam as vocações dentro das comunidades, vocações leigas e religiosas, para que a Igreja continue sua caminhada rumo ao céu.
O CARISMA DOS FILHOS DO CÉU
Resgatar a dignidade de filhos: “Mas quando veio a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, que nasceu de uma mulher e nasceu submetido a uma lei, a fim de resgatar os que estavam sob a lei, para que recebêssemos a sua adoção. A prova de que sois filhos é que Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai” (Gl 4,4-6)

Ricardo, fdc